sábado, 14 de fevereiro de 2009

Para Mai

Há meses dediquei esta pequena imagem à amiga Mai neste mesmo blogue...Na "corda bamba" fiquei desviada por tempos, injustiçando certamente a amiga que não merecia mas cuja mente não se deixa influenciar... Neste contexto acho que eu, na minha fragilidade deixei baralhar a verdade, com algumas insinuações de quem tem caras diversas, certamente também no viver e não somente na net...Sentindo há tempos a mediocridade desta minha posição...já que pesados os argumentos "traiçoeiros" de quem julga sem conhecer, como pessoas que insinuam aos quatro ventos aquilo que não sabem e sobre quem não conhecem...neste momento assumo mea culpa perante Mai, não pedindo desculpa, pois ela sabe bem saber entender mesmo o silêncio, de quem fica com cicatrizes devido a pessoas traiçoeiras...Que o vento lhes dê o devido entendimento e não magoam de forma desastrada...com tal não lucram nada, perturbando os incautos.
Beijos e o meu carinho ...igualzinho ao tempo do conhecimento e do seu desenvolvimento com Mai, amiga minha!
***********

2 comentários:

Mai disse...

Olá, Mité.
Peço desculpas por não ter vindo aqui ao mesmo tempo da postagem mas aqui estou somente para dizer-te que não há o que se desculpar quando se compreende o outro com todas as suas qualidades, dificuldades e fragilidades. Somos apenas seres humanos, Mité e nessa direção temos tudo dentro de nós.
Resta-nos mergulhar em auto-conhecimento para vermos e compreendermos o real motivo de nossas dores.

O fato é que o mal talvez esteja não na causa geradora mas no tempo em que nos demoramos nutrindo e a mercê dele.

Isto eu exemplifico como uma chama.
Crianças são ótimas porque desafiam o fogo brincando com velas acesas. Passam o dedinho pela chama e, rapidamente tiram. Se demorarmos demasiado com os dedos sobre o fogo, teremos bolhas nos dedos.

Então o 'suposto mal' não esteve na chama mas no tempo em que permaneci no fogo.

Por isto sempre te dizia que não me demoro muito tempo com pensamentos ou sentimentos que não me eram úteis.

O mal poderia e pode acometer e até matar.

Não precisarias e nem me deves qualquer desculpa pois desde sempre te sei bem.

Há coisas que nos ameaçam e não está no outro.Está em nós. Bem, Mité.
Sinceramente te agradeço me enterneço e sinto-me honrada em ter-te como amiga.

Espero um dia poder te abraçar. A ti e aos teus.

Fica bem
Carinho,
Mai.

P.S.
Responderei o outro e-mail.

DOCETERE disse...

O problema está mesmo em nós quando se dá importância ao que importância não tem...Bjs

Votos de bom Domingo.

Tere