quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Recordo aquela trovoada

Trovoada  tropical
Quente...forte, a chuva bem morna
Eu a pé atravessar na terra vermelha
Lamaçal dum bairro de Luanda
Roupa colada ao corpo,

Corria o ano de 1974.
O ano em que lá estive
E por aqui se fez a revolução.

 Em que o meu filho mais velho nasceu.
Até aos seis meses por lá cresceu
Trovoada que jamais olvidei.
Uma trovoada tropical
Cujo cheiro da terra
Também permaneceu, por tempos.
.
MTeresaFernandes

2 comentários:

JOE ANT disse...

Muita trovoada,
muito relâmpago,
muita chuva...
***
E, num relâmpago,
tudo se foi...
E hoje,
o "trovão" resultante,
ecoa em terra quase sem chuva
e mostra que lá dentro
ficou um relampagozinho,
uma reminiscência de África.
África minha,
Àfrica nossa,
África agora
também muito dele.

TERE disse...

Bom texto Joe...Abraço