quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

Por Ti... poema

No espaço do meu corpo
há um cheiro de maça verde
e eu habituei-me
a esperar-te inteira
à beira do tempo
enquanto as esquinas
se dobram de espanto

Tu és a certeza nesta viagem
pelo amanhecer tranquilo
em que a madrugada se despe
das palavras quietas que cheiram a ti

Eu sou a incerteza
da partida que sabe a desejo

António Sem

7 comentários:

~PakKaramu~ disse...

Beutiful flowers

DOCETERE disse...

Thank

Anónimo disse...

O que falta ao António?

DOCETERE disse...

Anónimo, Zira é que deve saber...já que escolheu ela o poema, o autor e o postou.Abraço.

DOCETERE disse...

Ziraaaaaaaaaaaaaaaaaaa tb estou curiosa, rsssssssss..ehheheeh!!!

Zira disse...

Que António???

Zira disse...

Sem imaginação e que não está!!