segunda-feira, 3 de maio de 2010

Poema de Paulo Teixeira Lopes

Rosa Minha


É uma flor que me prende
em laços que eu mesmo teço,
e cuidadosamente aperto,
com carinho seu caule
não sufocando sua cor.

Num sopro leve respira
embalada em meus braços,
sedenta de meu Amor.
Sedento eu de seu Amor.


Que ela seja sempre a Rosa
que um dia me deu carinho,
pois feliz eu fui, sou e serei,
por me ter conquistado,
por um lindo dia passado,
por um feliz mês corrido,
por um ano maravilhado,
por uma vida ter vivido,
na cor de seu perfume emanado.


Com respeito e cuidado a tomei
na mão que a acaricia,
no beijo roubado
cheio de som e cor.


Hoje a prendo docemente
ao sabor do meu amor,
mas que sempre se sinta livre,
pois amor roubado é dor.
Levemente a seguro,
pois quem me prende,
…é a flor.

Paulo Teixeira Lopes, Gaia Março 2010

2 comentários:

Paulo Teixeira Lopes disse...

Obrigado....sinto-me lisongeado...

Paulo Teixeira Lopes

TERE disse...

E eu senti lindo sentir ao o poema ler junto das suas sublimes pinturas.

M. Teresa